Comunicação em ano de eleições foi tema de fórum no Congresso da AMM

“A comunicação é o coração de toda campanha e, também, das gestões e administrações com a responsabilidade de comunicar bem com a população, de passar a mensagem positiva do governo à população.” A declaração foi do coordenador-geral de Comunicação da AMM, Lu Pereira, na abertura do Fórum “Comunicação é o foco nas eleições municipais” no segundo dia do 39º Congresso Mineiro de Municípios, 5 de junho, no Expominas, em Belo Horizonte. 

Ao longo da tarde, foram discutidos temas imprescindíveis ao dia a dia das equipes que trabalham com comunicação pública, como “A eleição da polarização”, com a Felipe Nunes, diretor da Quest e comentarista da Globo News; “Influência é voto: como atrair e reter eleitores nas eleições municipais”, com Fred Perillo, consultor, estrategista e treinador de políticos; “Transformando likes em resultados: a importância da estratégia digital nas eleições”, com Marcello Natale, estrategista digital; “Marketing digital no setor público – o uso de dados e redes como estratégia de comunicação”, com Raquel Vasconcelos, jornalista, especialista em marketing político, diretora do Instituto de Pesquisa Sigdados; “O voto pela emoção e as estratégias para a inteligência artificial nas eleições”, com Gilberto Musto, mestre em ciências políticas, pós-graduado em marketing político e comunicação eleitoral.

O Fórum contou, também, com a apresentação do diretor-geral da Empresa Mineira de Comunicação, Luciano Correia, grupo que representa a Rede Minas e Rádio Inconfidência, com alcance à população de 600 municípios.

Na avaliação de Felipe Nunes, até 2014 o grau de intolerância política chegava ao máximo de 4,42 em uma escala de 0 a 10. “Em 2018, chegou a quase 7. O que mudou é que a polarização passou a ser afetiva, aquela em que eu olho para outro não como adversário, mas inimigo. Eu passo a olhar para o outro e considerá-lo mal porque eu sou bom.”

E essa divergência chega aos municípios, por isso é imprescindível um trabalho feito com base no planejamento, na avaliação criteriosa do conteúdo e no acompanhamento da reação e interação do público.

“É preciso criar vínculos. Conexão é vínculo. A comunicação, como a gente conhecia, não funciona mais e a gente precisa criar conexão emocional. A motivação do voto é puramente emocional, mas a gente justifica o voto racionalmente”, ressaltou Fred Perillo.

O consultor explicou ainda a importância de investir nas campanhas e nos candidatos. “A gente investe nas campanhas e não treina os candidatos, quando muito, faz media training e curso de oratória. Os candidatos ficam soltos, sem técnicas de persuasão para pedir votos. Eles precisam ter: comunicação verbal (conteúdo), comunicação vocal (tom, dicção e ritmo) e comunicação não verbal (expressão facial, roupa e gesto)”, reforçou o especialista.  

Assista ao fórum, na íntegra, no canal da AMMTV no Youtube (aqui).

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
pt_BR
pt_BR